Blog do Sérgio Matias

Sob a direção de um forte general, não haverá jamais soldados fracos. (Sócrates).

16/03/2019

Vereadores acusados de terem sido subornados pelo prefeito de Bacabal continuam sendo alvos de críticas da população

A rejeição da diminuição da taxa de Iluminação Pública em Bacabal continua rendendo e os vereadores da bancada governista viraram o alvo principal da revolta da população.

Como todos os moradores ficaram sabendo, antes de iniciar a sessão ocorrida nesta quarta-feira (13), que apreciaria o Projeto de Lei, uma comissão de vereadores encabeçada pelo presidente da câmara Manuel da Concórdia, e que ainda contava com Irmão Leal, Venâncio do Peixe, Reginaldo do Posto, Joãozinho Algodãozinho, Dr. Lula, Sobrinho Veloso, Erivelto Martins e Dedê da Trizidela, esteve na sede do poder executivo reunida com o prefeito Edvan Brandão que expressou seu desejo de manter o valor abusivo da cobrança e exigiu que todos votassem contra a redução.

Suborno

Agora, o vereador autor do projeto revela algo extremamente grave. De acordo com o vereador Coronel Egídio , os seus colegas de parlamento foram subornados pelo prefeito.

Em gravação de áudio compartilhada nas redes sociais o vereador ainda os taxou de gananciosos. "Isso é ganância. Com certeza ele [prefeito] deu dinheiro para os vereadores [governistas]. Ele comprou esses vereadores para rejeitar esse projeto. Se venderam, teve essa reunião dentro da prefeitura", afirmou.
Dedê do broche

Dos vereadores que ficaram contra os anseios da população e a favor dos intentos ambiciosos do prefeito, Dedê da Trizidela tem sido o mais criticado por insistir em defender o indefensável.

Ainda quando da sessão, ao ocupar a tribuna ele foi vaiado e desmentido por populares que estavam na galeria.



Dedê, que ostentava no peito um broche personalizado com a logomarca da atual gestão municipal, quis negar que a prefeitura tenha arrecadado R$ 11 milhões com a cobrança da taxa no ano passado, esquecendo que o valor consta na planilha divulgada pela própria Companhia Energética do Maranhão (CEMAR).
O advogado e professor Dr. Bento Vieira também se manifestou sobre o assunto e disse que, diante da pressão popular, Edvan Brandão sucumbirá com a ideia de manter a cobrança no valor abusivo.