Blog do Sérgio Matias

Sob a direção de um forte general, não haverá jamais soldados fracos. (Sócrates).

15/03/2019

BACABAL: Acaba em choro "lavagem de roupa suja" entre secretário municipal e professora

Defender a gestão Edvan Brandão não tem sido tarefa das mais fáceis. Tanto é verdade que, diferente de quando começou há quase 1 ano, atualmente são poucos que se ariscam a contestar os críticos que, se diga de passagem, são muitos, talvez a maioria esmagadora da populacão bacabalense punida pelas irresponsabilidades de um prefeito fraco, sem autonomia e sedento por dinheiro.

Os que corajosamente ainda tentam argumentar saindo em defesa dos atuais administradores, geralmente são os asseclas assalariados temerosos por perder o emprego, mas também há quem não necessita se submeter a tanto, como é o caso do professor Raimundo Sirino.


Bem quisto em nossa sociedade, de intelecto indiscutível,  ele ocupa o cargo de secretário adjunto de Admistração, pasta que tem como titular o neófito Davi Farias, o “Rei Davi”, filho do prefeito.


Num dos embates políticos comuns em grupos de WhatsApp, entre as muitas críticas ao governo municipal, algumas bastante duras, o secretário adjunto saiu em defesa da primeira-dama e foi alvo de comentários, um deles feito pela professora Ana Cleyde Nunes que, anteriormente, havia afirmado desconhecê-la. 


“Olha Sirino, eu também conheço o Edvan há muitos anos, nem por isso eu digo que conheço a esposa dele - nunca nem tinha visto - para afirmar que ela é uma boa pessoa, isso ou aquilo. Eu posso respeitar, mas não afirmar algo que desconheço. E outra coisa, isso não é agressividade meu amigo, você está puxando-saco, é isso que você está fazendo”.
Sirino retrucou: “Essa tua agressividade eu não conhecia, agora isso não vai te levar a lugar nenhum, porque quem pode te ajudar um dia são seus amigos que você está agredindo por causa de política. Tchau e benção”. 
Em seguida a professora que foi coordenadora do Departamento Afrobrasileiro e Quilombola, da Secretaria Municipal de Cultura, voltou a se pronunciar e chegou a chorar relembrando encontro que teve com o secretário adjunto. “Eu não sou agressiva, viu Sirino. A minha forma de falar é essa, é dessa forma que me expresso.  Eu quero que você se lembre muito bem quando eu fui te procurar, eu falei da minha posição sobre a igualdade racial, e o que você fez foi mandar me tirar da Biblioteca [Municipal], chutando a minha bunda, foi isso que você fez. Você acha que eu esqueci? Não esqueci não, Sirino. Você se dizia amigo meu da universidade. Você só quer posição”.