Blog do Sérgio Matias

"Prefiro os que me criticam, porque me corrigem, aos que me elogiam, porque me corrompem" (Santo Agostinho)

25/02/2019

Depois de contratar assessor direto para tratar dos seus assuntos, prefeito de Bacabal também incumbe motorista particular de atender o telefone

Sem rumo e direção prefeito patina na impopularidade e descrédito administrativo.
Há tempos a população bacabalense tem se queixado da falta de ação, de pulso, mas também da ausência do prefeito que no dia seguinte a vitória na eleição suplementar, em outubro do ano passado, passou a morar e viver praticamente confinado numa fazenda de onde na maioria das vezes despacha com assessores mais próximos e secretários municipais.

O imóvel rural fica no povoado Bela Vista e é muito raro Edvan Brandão (PSC) vir na cidade.

Imagens suas quase sempre são feitas acompanhando serviços paliativos em estradas vicinais.

No prédio da prefeitura ele só é visto quando a equipe de marketing, contratada sem licitação e por R$ 1,5 milhão, pede que aconteça para que sejam feitas fotos e filmagens exaustivamente compartilhadas nas redes sociais com o intuito de convencer a opinião pública que o prefeito é um gestor presente e antenado com o que acontece no dia a dia da sua administração.

Mas, na verdade, Edvan Brandão é quase sempre o último a saber das decisões mais importantes, isso quando sabe.

O pior é que ele também nem tem feito muita questão, isso, desde que não lhe falte no bolso muita grana somada a bens acrescidos ultimamente ao seu patrimônio.

Não sendo um daqueles assessores próximos ou secretários que falei, quem pretender trocar um “dedo de prosa” com o prefeito ou cobra-lo por serviços prestados a prefeitura ou mesmo na campanha, terá que ter paciência para enfrentar a via crucis que começa pelo professor Dr. Waltersar Carneiro, ex-secretário de Educação, recentemente contratado por indicação do deputado estadual Roberto Costa (MDB) para intermediar a relação do prefeito com subalternos, asseclas e também fornecedores.

Qualquer pleito dessas pessoas só chega ao prefeito se antes passar por Waltersar.

Se algum metido a esperto resolver burlar essa regra tentando ligar diretamente para o número telefônico de Edvan, não vai adiantar. É o motorista particular que sempre atende as ligações com a determinação de só pronunciar duas frases: “O prefeito não pode atender agora” ou “Ele saiu e esqueceu o celular”.

O  tradicional “Ligue depois” não está autorizado a ser dito.