Blog do Sérgio Matias

"Prefiro os que me criticam, porque me corrigem, aos que me elogiam, porque me corrompem" (Santo Agostinho)

31/01/2019

"Não tem moral e não manda", diz fornecedor sobre prefeito

Ultimamente diante da enxurrada de denúncias e escândalos envolvendo a gestão do prefeito Edvan Brandão (PSC), as redes sociais têm sido cada vez mais utilizadas como principal ferramenta para a população bacabalense expressar sua indignação, decepção e revolta.

Diante das informações divulgadas pela imprensa a respeito da malversação do dinheiro público, até o empresariado, segmento tido como mais contido, já dá demonstrações de impaciência.

Durante uma das acaloradas discussões em grupos do WhatsApp entre pessoas comuns da sociedade e o pouco que ainda resta de correligionários do prefeito, o sócio de uma gráfica da cidade revelou que há alguns meses tenta receber do município valores correspondentes a serviços prestados.

Numa das mensagens ele chega a ironizar a falta de pulso e de moral de Edvar Brandão. “Cobrei o Edvan foi na cara dele! Ele deu a ordem e a moça disse que não pagava”.

O sócio da gráfica cita a mesma situação que na cidade todo mundo comenta, ou seja, que o Controlador Geral do Município, Dr. Emílio Carvalho, é quem verdadeiramente dá as cartas na administração. “Há seis meses eu imploro. Mas o prefeito Emílio não paga. Esse dinheiro aí da prefeitura dá pra tudo, só não dá pra pagar os fornecedores”.

Ao final ele volta a demonstrar sua indignação com a falta de pulso e moral de Edvan Brandão. “Por isso digo que ele não tem moral e não manda. Só falo o que sei”.
O Blog do Sérgio Matias tentou mas não conseguiu contato com o autor dessas mensagens, por essa razão sua identidade foi preservada.

Reação do prefeito

Atitudes como essas que partem da própria população na internet somadas as constantes denúncias feitas pela imprensa, além do tormento vivido diante das ações que é alvo na justiça, levaram  prefeito a usar seus perfis nas redes sociais para, em outras palavras, classificar a todos como desocupados. "Tem uns e outros que só entendem de ficar dependurado no celular, reclamando, difamando, sem mexer uma palha que seja".