Informa Maranhão

Contato: (99) 98857-2669 - WhatsApp

CORONA

28 de abr. de 2022

ELEIÇÕES 2022: Roberto Costa vai ter que rebolar bastante para se reeleger

Durante a sua longa e expressiva trajetória política João Alberto sempre dedicou atenção especial à Bacabal, nesse período apoiou alguns nomes, daqui e de fora, talvez imaginando continuar seu legado. Um deles foi o bacabalense Jura Filho, deputado estadual por três vezes consecutivas e até vice-governador. Teve também os trazidos a tiracolo de São Luís: Egídio Amaral, coronel da reserva e ex-vereador, além de Roberto Costa.


Exercendo o terceiro mandato de deputado estadual, esse, já não faz tanta questão de ter a sua imagem ligada a de João Alberto, pelo contrário, evita ser visto com ele em público, em um cartaz ou santinho, nem procure, você não vai encontrar. As poucas conversas entre os dois geralmente acontecem no Diretório Estadual do MDB, em São Luís - como mostra a foto abaixo, publicada nas redes sociais por João e não compartilhada por Roberto - ou na casa em que se hospedam, no Parque Jardim Valéria, quando estão de passagem por Bacabal.

Como se vê, Roberto é falso, ingrato, amigo da onça, e em cima das mentiras que ele mesmo planta e que são disseminadas por asseclas incautos, é que tenta esconder da opinião pública, sobretudo a bacabalense, a verdade sobre seu futuro político. Para não me estender, relaciono só algumas recentes, como a que estaria cotado para ser candidato a vice  na chapa do pré-candidato a governador Weverton Rocha, isso nunca existiu, nem foi cogitada a possibilidade. Outra, bem mais utilizada, são as pesquisas que ele carrega debaixo do braço, e há tolos que acreditam.


Em Bacabal, Roberto não é mais nem a sombra do que foi. No auge, em 2016, quando ainda conseguia vender a imagem de bom moço, disputou a eleição para prefeito, se manteve como favorito durante toda a campanha, mas, com sapato alto, acabou sendo derrotado nas urnas por Zé Vieira que viria a ser cassado pela Justiça Eleitoral 1 ano e 6 meses depois de tomar posse. Com a queda de Vieira, veio a eleição suplementar que coincidiu com as gerais, em 2018.

Nesse intervalo, Edvan Brandão, então presidente da Câmara de Vereadores, assumiu interinamente o poder executivo, no cargo, disputou a eleição para prefeito quando também apoiou a reeleição de Roberto para deputado estadual.


Edvan se elegeu, Roberto, com a máquina pública do município à disposição e o apoio da maioria dos vereadores, obteve no município pouco mais de 11 mil votos, no estado foram 35.214, longe, por exemplo, dos 50.359 de Carlinhos Florêncio, deputado bacabalense que se reelegeu com folga.


MDB


Roberto só renovou o mandato de deputado estadual, por obra e graça da coligação proporcional (à época permitida). O MDB elegeu dois, Arnaldo Melo e o próprio Roberto. A coligação, no caso, era a "O Maranhão Quer Mais 2", que acabou fazendo seis no total, Roberto foi o penúltimo, por pouco não ficou de fora.

 
1. Zé Gentil (PRP)- 62.364 votos
2. Adriano Sarney (PV) - 50.679
3. Rigo Teles (PV) - 43.633
4. Arnaldo Melo (MDB) - 35.996
5. Roberto Costa (MDB) - 35.214
6. César Pires (PV) - 30.091


Dois anos depois


Na  eleição municipal, em 2020, quando as coligações proporcionais deixaram de ser permitidas, a derrrocada do MDB sob a liderança de Roberto ficou ainda mais evidente. O partido sequer conseguiu eleger um candidato a vereador na capital. André Campos, um dos operadores de Roberto, amargou a suplência, o desempenho dos restantes do partido foi pior ainda, para se ter uma ideia, a melhor colocada depois dele foi Jane Guimarães com 865 votos.
EM TEMPO: Para que não pairem dúvidas, até junho de 2021, quando Roseana Sarney assumiu o Diretório Estadual, o MDB tinha como presidente o ex-senador João Alberto e Roberto Costa como vice, cargo que exerce até hoje, mas sem o mesmo poder, pois, com João na presidência, Roberto fazia, desfazia e perseguia, a palavra final quase sempre era a dele. 


Bacabal


Ainda tratando das eleições de 2020, Roberto Costa coordenou, e mal,  a campanha de João Alberto a vereador de Bacabal, como também abraçou a campanha à reeleição da vereadora Natália Duda, só a nona mais votada no geral.


Sonho adiado


João Alberto, que já foi governador, vice-governador, senador,  deputado estadual, deputado federal e prefeito, teve que adiar o sonho de encerrar a carreira política como vereador da terra que tanto diz amar.

De lá para cá, dois anos se passaram, o quadro é ainda mais desfavorável eleitoralmente para Roberto (muito embora há quem diga que para ele dinheiro não é problema).


Da Prefeitura de Bacabal deixou de ter o apoio, dos 17 vereadores só Natália Duda continua, os demais, 11 estão com Davi Brandão, 5 com Florêncio Neto.


Davi e Florêncio são pré-candidatos a deputado estadual, ambos pelo PSB, partido do governador Carlos Brandão.

 
Café amargo


Assim como perdeu o apoio de Edvan em Bacabal, Roberto perdeu o da ex-prefeita Maria José Carvalho em São Luis Gonzaga do Maranhão, que optou por Davi. Em outros municípios o cenário embaçado é o mesmo, enfrenta dificuldades de firmar parcerias com grandes lideranças, como prefeitos(as) e ex-prefeitos(as).


Até o momento só conta com a prefeita Luciana Leocádio, da pequena Buriti Bravo. Com Padre William, de Alcântara, andou flertando e até teve participação no governo, mas a relação esfriou e parece não ter ido para frente.


Nominata


De certo, nas eleições desse ano Roberto Costa não terá mais aquela ajudinha dos puxadores de votos que o salvaram da degola em 2018. Sem as  coligações proporcionais, só pode contar com os próprios colegas de partido, e olha que, mesmo com a intervenção da ex-governadora Roseana Sarney, não foi fácil a formação da relação de nomes para a disputa pela Assembleia Legislativa.

Fortes concorrentes e cientes da realidade, os deputados Arnaldo Melo e Socorro Waquim deixaram a legenda e migraram para o Progressistas.


Os mais otimistas dirão que não é terra arrasada, afinal, enquanto uns se foram, chegaram outros. Da lista dos 43 pré-candidatos se destacam três, sem o mesmo peso, mas com alguma chance de ajudar no alcance do coeficiente eleitoral.


Betel Gomesatual deputada, ex-primeira-dama de Buriticupu, que na eleição de 2018 concorreu pelo PRTB ficando na suplência e posteriormente assumindo a vaga deixada por Felipe dos Pneus, eleito prefeito de Santa Inês;


Márcio Coutinho - advogado e o queridinho do ex-senador Edinho Lobão;


Ricardo Arruda - filho do prefeito de Grajaú, Mercial Arruda.


A confirmação de todas as candidaturas só acontece após as convenções, entre 20 de julho e 5 de agosto. Mas vale ressaltar que o prazo de filiação e mudança de partido para quem quer se candidatar nas eleições desse ano terminou no último dia 2 de abril (6 meses antes).


Por fim...


Roberto, que é bom de zumba, vai ter que rebolar bastante...


LEIA TAMBÉM PARA ENTENDER