9 de ago. de 2021

O inimigo mora ao lado

Eleito e reeleito a prefeito, Edvan Brandão tem procurado responder aos criticos com trabalho, o que evita embates desnecessários, que muita das vezes descambam para o lado pessoal.


Há de se destacar ainda que, apesar das ofensivas, Expedito Jr e Egídio Amaral, dupla derrotada por Edvan na ultima eleição municipal e que ainda se apresenta como alternativa, pelo menos até hoje mantém a discussão política num nível aceitável. Contudo, o prefeito não deve esperar essas águas mansas durante o pleito de 2022.


É fácil de entender.


Davi Brandão, seu filho e atual  secretário municipal de Administração, é pré-candidato a deputado estadual, diminuindo de sobremaneira as chances de Roberto Costa se reeleger, o que só não aconteceu já em 20l18 pelo fato da Prefeitura de Bacabal ter caído no colo dele meses antes da votação. À época quem assumiu interinamente foi o mesmo Edvan, mas, ainda acanhado, deu autonomia para o deputado agir dentro do governo, tanto é que por um bom período o gestor esteve ofuscado.


Ainda assim Roberto só renovou o mandato por obra e graça da antiga regra eleitoral que permitia as coligações proporcionais.


Foram 35.214 votos.


Como dizem que um raio não cai duas vezes em um mesmo lugar, agora Roberto deve ficar de fora da lista de eleitos, pois, como se não bastasse ter perdido em Bacabal o posto de "candidato do prefeito", não goza mais de muito prestigio no restante do estado.

Consciente das poucas possibilidades de releicão, Roberto se agarra num fio de esperança, a desistência de Davi Brandão, chance muito improvável, pois, diferente do que o deputado torce para que aconteça, Davi a cada dia se destaca como um dos mais importantes colaboradores da gestão do pai, o que naturalmente tem dado visibilidade ao seu nome. O jovem secretário também tem transitado com desenvoltura em meio a classe politica maranhense, a exemplo do governador Flávio Dino e do vice Carlos Brandão, com quem tem viajado por alguns municípios da região.

Carlos Brandão assumirá a titularidade do governo no próximo ano. A proximidade dos dois tem sido outro incômodo para o deputado. 


Pipeiro


Apesar de tudo, é bom continuar de olho em Roberto Costa que não se dará por vencido. Com uma nova eleição à vista, ele já voltou à cena se valendo de enrolações, que, por incrível que pareça, em 2016 quase o fizeram prefeito:  empinar pipa com crianças, rebolar os quadris em aulas de zumba e andar com vela na mão em missas e procissões.

E inovou.


No penúltimo fim de semana armou uma pelada de futebol com profissionais da imprensa. Roberto é metido a goleiro, prefere jogar debaixo do pau (ou travessão), e, na ocasião, deu entrevista em sua emissora se vangloriando de ter conseguido agarrar as bolas do repórter e centroavante Romarinho, a quem humilhou, demitiu da TV Difusora e nunca pagou.


Nesse imbróglio  Romarinho teve até a sua vida intima invadida, mas isso só cabe a ele revelar.


Das maldades do deputado muitos foram vitimas. Alguns por necessidade ou mau caratismo permanecem ao lado dele fazendo de conta que nada aconteceu.


Um dia, quem sabe, dou nome aos bois.