17/06/2020

HUMANIZAÇÃO: APAC de Bacabal produzirá máscaras com recursos da União Europeia

Os esforços da Juíza da 2ª Vara Criminal de Bacabal, Dra. Gláucia Helen Maia de Almeida e do Padre José Ribamar Cardoso Lima à frente da APAC (Associação de Proteção e Assistência aos Condenados) têm surtido efeitos positivos, tendo em vista a constante busca por parcerias para os trabalhos com os recuperandos da unidade. 

O trabalho iniciado com a parceria entre a instituição, a Status Malharia e a Prefeitura de Bacabal ganhará mais um reforço: trata-se do apoio do Projeto “Más allá de las fronteras” (Além das fronteiras) - com o lema “Humanizar a pena, promover a vida” -, realizado pela Associação Voluntários para o Serviço Internacional (AVSI - Brasil) e pela Fraternidade Brasileira de Assistência aos Condenados (FBAC), em parceria com o Tribunal de Justiça, Corregedoria Geral da Justiça e Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (SEAP).

O projeto tem a finalidade de estimular nos recuperandos os sentimentos de solidariedade e amor ao próximo, além de promover a capacitação e a ocupação dos internos durante a suspensão das visitas familiares presenciais e atividades educativas e sociais. Com o apoio financeiro da União Europeia, cerca de 80 internos das APACs de Itapecuru-Mirim e Bacabal passam a produzir, a partir desta terça-feira (16), máscaras de proteção para prevenção do contágio da Covid-19.
São R$ 350 mil destinados para 23 APACs dos estados do Maranhão e Minas Gerais.

A campanha também tem a finalidade de fortalecer e expandir a metodologia APAC, modelo comprovadamente eficaz para ressocialização de apenados e a redução da reincidência no crime, que tem sete unidades instaladas nos municípios de São Luís, Imperatriz, Pedreiras, Timon, Itapecuru-Mirim, Bacabal e Viana.

No Maranhão, os recursos serão utilizados para a implantação de malharias nas APACs de Itapecuru-Mirim e Bacabal, onde cerca de 80 internos vão trabalhar, inicialmente, na produção de máscaras, que serão doadas a instituições sem fins lucrativos, secretarias municipais de saúde e população carente.

Após a pandemia, serão confeccionados uniformes para o sistema penitenciário estadual, que serão adquiridos pela SEAP.