Blog do Sérgio Matias

Sob a direção de um forte general, não haverá jamais soldados fracos. (Sócrates).

10/01/2019

Prefeito de Bacabal faz rodízio de parentes na secretaria de Administração

A gestão à quatro mãos, sem rumo, sem prumo, sem eira nem beira de Edvan Brandão de Farias (PSC), prefeito de Bacabal, continua aprontando das suas e nas barbas das autoridades dos poderes legislativo e judiciário.

Aqui foi reproduzido em 12 de dezembro do ano passado a fala do senador João Alberto (MDB) feita no Senado em que ele anunciava pelo microfone a presença do prefeito de Bacabal e comitiva. Dela fazia parte Davi Farias, filho de Edvan, que até então ninguém da população sabia que ocupava um cargo no primeiro e bem remunerado escalão do governo do pai.

Por equívoco, a assessoria do senador publicou nas redes sociais texto citando Davi como secretário de Educação, o que induziu o blog a questionar as razões da substituição e, consequentemente, a saída da professora Ivane Ramos, apadrinhada do deputado estadual Roberto Costa (MDB).

No entanto, nas imagens geradas pela TV Câmara é possível ver que João Alberto, na realidade, se dirige ao filho do prefeito como secretário de Administração, cargo ocupado primeiramente pelo ex-vereador Ely Brandão, que vem a ser irmão do prefeito.

Depois, sem nenhuma justificativa dada ao povo, Ely deu lugar a própria esposa, cunhada do prefeito. Neste caso o pedido dele de exoneração do cargo e a portaria de nomeação dela nunca foram publicados no Diário Oficial do Município, só sendo descoberta a troca em função da publicação de um pregão presencial em que Rita de Cássia Albuquerque de Farias aparece como a nova titular da pasta.

Ambos não reúnem as qualidades técnicas para tal função e, como parentes do prefeito, suas nomeações se enquadram no crime de nepotismo.

É Davi?

Entretanto, quem acessar o DOM nesta quinta-feira (10) irá se deparar com mais uma surpresa, ou melhor dizendo, com a confirmação da imoralidade que é a atual gestão.

Na publicação de outro pregão, Davi Brandão de Farias é quem aparece como secretário de Administração em substituição a tia que havia substituído o irmão do pai prefeito.
Efeito dominó

Essa orgia administrativa  tem efeito direto na vida da população e, sobretudo, dos servidores municipais com quem Edvan tem sido deveras cruel. Podemos citar como exemplo a classe de professores.

De acordo com o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais, esses profissionais estão até o momento sem receber as duas parcelas do 13° salário que deveriam ter sido pagas até novembro e dezembro do ano passado.

Em reunião com representantes do sindicato, ainda no último mês de dezembro, a secretária de educação, professora Ivane Ramos, se comprometeu a honrar com essa obrigação no próximo dia 20 de Janeiro.

Já com referência ao pagamento correspondente ao último mês trabalhado dos demais servidores da educação, passado o quinto dia útil do mês subsequente, o município não especificou uma data, como não tem dado explicações sobre a motivação desse atraso.

Na saúde a situação é parecida e com um agravante. Há a suspeita, inclusive do próprio prefeito, que a pasta foi “infestada” de funcionários fantasmas.

“Nus com a não no bolso”

Os servidores contratados antes e na véspera das eleições (geral e suplementar) e demitidos a partir do dia seguinte a votação, são outros que ainda aguardam pelo pagamento, alguns, de até três meses