Dados de caminhoneiro desaparecido após assalto em Bacabal estão inseridos na Central Disque Denúncia

05/12/2018

Os dados do caminhoneiro pernambucano Obadias Pereira da Silva, de 44 anos de idade, feito refém e obrigado a conduzir o caminhão baú utilizado durante o assalto a central de distribuição do Banco do Brasil, em Bacabal, no último dia 25 de novembro, e posteriormente achado incendiado em uma estrada vicinal, constam no Programa Desaparecidos, que faz parte das ações desenvolvidas pelo Disque Denúncia do Maranhão.

Assim, quem desejar prestar informações que auxiliem nas buscas, poderá fazer pelos telefones: (98) 3223-5800 [São Luís], 0800-313-5800 [Interior] e pelo serviço de Whatsapp (98) 99224-8660.

A Central do Disque Denúncia foi criada com fins de coletar, registrar e monitorar informações, de modo a checar a veracidade das denúncias, antes de repassar ao órgão de segurança pública.

O investigador da Polícia Civil, Augusto Mendes, que é responsável por essa central, garante que o trabalho desenvolvido tem reforçado o sistema de segurança, sendo o foco principal os meios de comunicação e redes sociais, a exemplo do “WhatsApp”, canal utilizado com frequência pelos denunciantes. O que se mantem o mesmo padrão com o quadro de desaparecidos e a tela de procurados.

Vale ressaltar a importância que os parentes têm, quando é reencontrado o ente querido, na tarefa de procurar a delegacia para dar baixa no sistema, informando sua localização, no propósito de retirar o nome da tela de desaparecidos.

Há um grande avanço do Disque Denúncia no interior do estado, crescente demanda de intensificação através do governo e da comunicação da Secretaria de Segurança Pública, através do Secretário Jefferson Portela, com divulgações intensas, levando os resultados desse trabalho, com objetivo de minimizar o temor que muitos ainda têm de denunciar, garantindo com ampla clareza o anonimato e a preservação da identidade. (Com informações de Carolina Gomes – ASCOM/SSP).

ENTENDA O CASO:

A polícia acredita que Obadias Pereira ainda esteja em poder do bando. O caso repercute bastante na imprensa pernambucana, sobretudo de Recife onde a família dele mora.

“Ele é o único refém que não apareceu. Provavelmente ele saiu do seu veículo e dirigiu o outro caminhão usado pelos criminosos para fugir. Se ele tivesse morrido, o corpo já teria sido achado. Tudo indica que ele ainda está sendo feito refém”, disse o delegado Luciano Bastos, da Superintendência Estadual de Investigações Criminais.

Família angustiada

Antes de desaparecer, Obadias enviou um áudio aos parentes, que moram no Ibura, Zona Sul do Recife, informando sobre a ação criminosa.  “Neste momento, eu estou aqui como refém, aqui na estrada. Estão explodindo banco e eu estou na BR. Só Deus aqui. É tanto tiro e eu estou aqui como refém”.

O site Jornal do Commercio é um dos que vêm dando ampla cobertura ao caso e publicou informações sobre a angústia vivida pela esposa, filhas e demais familiares do caminhoneiro. Leia abaixo.

Sem notícias do caminhoneiro, a família se angustia. "Meu pai estava passando pela cidade quando o bandido o assaltou para transportar o dinheiro roubado no Banco do Brasil. Ele mandou o áudio no domingo, por volta das 22h30”, disse Danielly Alves, filha do caminhoneiro. Segundo ela, o pai é uma pessoa muito calma.

O caso está sendo investigado e quem tiver informações sobre o paradeiro de Obadias pode entrar em contato com a Polícia Civil ou com a família dele pelo número (81) 98682-0460 (falar com Danielly) ou (81) 99754-9720 (falar com Eliude).

Fake News

Fotos de um homem foram espalhadas em grupos de WhasApp como sendo do caminhoneiro desaparecido, porém, a família esclareceu que não era ele.

Leia também

Next
Faça seu comentário

0 comentários: