VOTAÇÃO EM BACABAL: Roberto Costa admite decepção e diz que atrapalharam seus planos

08/10/2018

Nunca foi segredo para ninguém que o deputado estadual Roberto Costa (MDB) só passou a criar expectativas de reeleição depois que a Prefeitura de Bacabal caiu em seu colo, pois, até então, ele nem cogitava ser reeleito.

Tendo a estrutura do poder executivo ao seu inteiro dispor para empregar, desempregar, perseguir e cooptar adversários, Roberto conseguiu para si o apoio de praticamente todos as lideranças políticas mais expressivas que estiveram contra ele na eleição municipal, em 2016, quando foi derrotado por Zé Vieira (PP).

Os ex-prefeitos Dr. Lisboa e Zé Alberto Veloso, a ex-deputada Graciete Lisboa, o ex-deputado federal Alberto Filho, os vereadores Alberto Sobrinho e Dr. Lula, e o ex-vereador Ilton Viana.

E era justamente em cima dessa junção de forças políticas que ele e o grupo João Alberto apostavam para ter em Bacabal uma votação expressiva, algo acima dos 20 mil votos, e, assim, fazer desse fato discurso para a disputa municipal, com pleito marcado para acontecer no próximo dia 28 de outubro.

Entretanto, computados os votos, Roberto obteve menos da metade da quantidade de votos esperada.

Outra frustração foi em relação a votação de seu principal concorrente. Carlinhos ultrapassou a marca dos 8 mil votos, mesmo tendo uma estrutura de campanha local bem menor.

Diante disso e como fez na derrota de 2016, Roberto Costa correu para apontar culpados, dessa vez o escolhido foi o colega de partido e também apadrinhado do senador João Alberto, o vereador Coronel Egídio (MDB).

Egídio, perseguido e boicotado já em sua pré-campanha, inclusive pelo gestor interino Edvan Brandão (PSC) que admitia ter uma dívida grande com Roberto Costa, superou esses entraves e obteve só em Bacabal 5.958 votos, e mais de 7 mil em todo o estado.

Por isso, Roberto Costa, por meios de seus assessores tratou de divulgar na imprensa que: A decisão de concorrer a uma vaga na Assembleia Legislativa atrapalhou os planos de Roberto Costa. Os observadores políticos sabiam disso e esse fator era motivo de temor dos correligionários. Coronel Egídio, conseguiu ser votado por 5.958 eleitores na cidade. Se estivesse no grupo, os votos sem dúvida somariam aos de Roberto Costa.

Nas alegações de Roberto também teve algo que podemos considerar um disparate: Mesmo sendo um deputado estadual, nunca coloquei obstáculos dentro do partido para que qualquer pessoa fosse candidato, mentira!

Roberto Costa não só tentou impedir que Coronel Egídio se candidatasse, como o impediu de discursar no palanque de Roseana quando a candidata derrotada ao governo passou por Bacabal. O próprio Egídio denunciou nas redes sociais.

Relembre.
Faça seu comentário

0 comentários: