Operação "morto-vivo” garantiu eleição de Roseana em 1994 e poderia impactar pleito municipal em Bacabal 24 anos depois

27/10/2018

As notícias do falso atropelamento e do anúncio da morte do apresentador Ray Lima, em Bacabal, em decorrência de traumatismo craniano, disseminadas nas redes sociais, fez lembrar a maior farsa eleitoral da história do Maranhão: o famigerado ‘Caso Reis Pacheco’.

A farsa é a seguinte: às vésperas do segundo turno da eleição para governador do Maranhão, em novembro de 1994, um tal de Anacleto Reis Pacheco apareceu na televisão, no horário eleitoral, acusando o então candidato a governador, Epitácio Cafeteira, de ser mandante do assassinato de um ex-funcionário da Vale do Rio Doce, José Raimundo dos Reis Pacheco.

A denúncia, ecoada nos programas eleitorais, teve efeito avassalador.

A então candidata do PFL, Roseana Sarney, que estava 12 pontos atrás de Cafeteira, disparou nas pesquisas e ganhou a eleição com vantagem de 1% dos votos. “Essa calúnia foi decisiva para eu perder aquela eleição”, relembrou Cafeteira em reportagem publicada pela revista Veja em novembro de 2001.

A farsa foi desmascarada em seguida, quando o “assassinado” José Raimundo dos Reis Pacheco apareceu em público gozando de plena saúde.

As investigações revelaram que o advogado Miguel Cavalcanti Neto participara da farsa. Ele recebeu o denunciante, o tal Anacleto, e encaminhou a denúncia à Justiça, produzindo a peça jurídica que Roseana exploraria nos dias finais de campanha.

O advogado, no entanto, sempre negou que soubesse que o assassinato era uma fraude. No depoimento de abril de 1998, pela primeira vez, o advogado deu um dado adicional. Disse que abriu as portas de seu escritório para o falso denunciante a pedido de José Sarney. “Ele me ligou e me pediu que recebesse esse tal Anacleto. Foi o que eu fiz”, diz.

24 anos depois...

No caso ocorrido na tarde deste sábado (27), também véspera de uma eleição, teve modus operandi parecido e, como em 1994, está relacionado a pessoas estreitamente ligadas politicamente ao clã Sarney, no caso, o grupo do senador João Alberto diretamente interessado no processo eleitoral deste domingo (28) porque tem candidato a prefeito.

Entretanto, se não fosse a agilidade que a internet proporcionou para se esclarecer rapidamente o fato, certamente o falso atropelamento e anúncio da morte de Ray Lima teriam impacto direto no resultado da eleição de Bacabal, porém, felizmente o que está evidente é que tal artimanha foi mais um tremendo “tiro no pé”.

*Com informações do Blog do John Cutrim

Faça seu comentário

0 comentários: