GREVE DOS CAMINHONEIROS: PRF e Exército entram em confronto com manifestantes durante desobstrução da BR-135, em Bacabeira

29/05/2018

Nesta segunda-feira (28) a Polícia Rodoviária Federal precisou desbloquear três vezes a via no povoado Peris de Baixo, no km 44 da BR 135, município de Bacabeira-MA. De acordo com a PRF, a manifestação nada tem a ver com o movimento dos caminhoneiros, que não participaram dos protestos.

Ainda pela manhã aconteceu o primeiro bloqueio total da via, só liberado algum tempo depois. Durante a tarde houve nova manifestação com bloqueio total da rodovia sendo necessário a intervenção com o uso progressivo da força face a intransigência dos organizadores do bloqueio.

No começo da noite teve início um novo bloqueio da pista, ocasião em que a PRF, o Exército, a Agência Brasileira de Inteligência (ABIN) e a Polícia Federal estavam na sede da PRF tratando da criação de um gabinete de crise. De lá mesmo saíram as equipes para a realização da desobstrução da via.

No local a PRF e o Exército foram recebidos com várias rajadas de fogos de artifício e com pedradas, sendo observado a necessidade de emprego do uso progressivo da força. Ao final, por volta das 21 horas a via foi liberada para a circulação de veículos.

Seis pessoas foram presas e conduzidas para a sede da Polícia Federal em São Luís.

Vídeos e áudios em redes sociais

Logo em seguida a desobstrução, circularam em aplicativos e redes sociais vários vídeos e áudios sobre a manifestação e a ação da polícia. Alguns falavam em excessos na ação policial, outros que o confronto teria resultado em dezenas de feridos, o que não passou de informação falsa, comumente chamada de fake news.
Em alguns áudios de populares é possível perceber claramente que a manifestação não conta com a simpatia dos próprios moradores de Bacabeira.

Tudo orquestrado

Pelos primeiros levantamentos, a polícia ficou sabendo que por trás do movimento teria a figura de uma pessoa envolvida na política municipal. O fato será apurado e, se confirmado, o mesmo poderá responder judicialmente pelas manifestações e suas consequências.

LEIA TAMBÉM:

Leia também

Next
Faça seu comentário

0 comentários: