BACABAL: Caixa esclarece motivo da paralisação das obras em residencial e ofícios comprovam empenho do município

08/05/2018
Assim como as mais de duas mil casas do Residencial Terra do Sol I, II, III, IV e V, as quinhentas do Residencial José Lisboa, na estrada da Bela Vista, em Bacabal, são das etapas do programa de moradia Minha Casa Minha Vida, do Governo Federal, e foram frutos de projetos elaborados na gestão do ex-prefeito Dr. Raimundo Nonato Lisboa.

As do Residencial Terra do Sol ficaram prontas e foram entregues antes do ex-prefeito encerrar o mandato, no entanto, as do Residencial José Lisboa I e II (nome dado em homenagem ao pai de Dr. Lisboa) tiveram as obras paralisadas em função de irregularidades cometidas pelas construtoras responsáveis, e identificadas nas vistorias feitas pela Caixa Econômica Federal.

Cadastramento

Ainda então, em 2013, já na administração de José Alberto Veloso, o município iniciou o cadastramento das famílias interessadas e aptas a receber um desses quinhentos imóveis. De lá para já se passaram quase cinco anos de espera, a área, ainda sob a responsabilidade da construtora, foi tomada pelo mato e algumas casas que estavam em fase de acabamento se deterioraram.

Ofícios

Neste intervalo, por várias vezes o poder público municipal tentou obter junto a Superintendência Regional da CEF informações sobre quando as obras seriam retomadas, e, inclusive, isso pode ser comprovado através das cópias de ofícios assinados pela atual secretária de Assistencial Social, Fábia Braga, e pelo próprio prefeito José Vieira Lins.

Em resposta à Prefeitura de Bacabal, ainda em 2017, foi informado que fosse aguardada a conclusão da chamada pública para as empresas (construtoras) que reiniciarão as obras.
Vereador Alberto Sobrinho

Essa explicação também foi dada em resposta a oficio do vereador Alberto Sobrinho (PRP). “As construtoras responsáveis [pela execução da obra] eram Techmaster e Lastro engenharia, as quais tiveram seus contratos reincididos em meados de janeiro de 2017, por descumprimentos contratuais”, disse o documento.

Oportunismo de Roberto Costa

Portanto, fica mais uma vez evidente que a retomada das obras [sem data ainda definida] é fruto do empenho do município, sobretudo da atual gestão e do grupo Zé Vieira que diuturnamente lutam para que isso venha a acontecer. A falácia do deputado estadual Roberto Costa (MDB) é outra das suas práticas sorrateiras, oportunistas, visando obter dividendos políticos eleitoreiros, quando, na verdade nunca moveu uma palha para solucionar essa questão, muito embora, a superintendência da CEF seja ocupada por apadrinhados do seu partido.

Coordenação

Em entrevista ao apresentador Carlos Barromeus, da TV Ágape (canal 40), a coordenadora municipal do programa Minha Casa Minha Vida, Hélia Cristina Ferreira dos Santos, deu mais detalhes sobre o caso.
Faça seu comentário

0 comentários: