DEIXOU BARATO! Justiça não valida posse do vereador Joãozinho, nem a votação que elegeu Edvan Brandão como presidente, na sexta-feira (3)

07/02/2017

Parecia que, enfim, essa semana o poder legislativo bacabalense poderia tem um presidente legitimo, com direito a todas as prerrogativas que o cargo garante.

Depois de um intenso cabo de guerra em que a população foi obrigada a assistir perplexa, na noite desta terça-feira (7) o juiz Marcelo Moreira, titular do Juizado Especial Cível e Criminal e respondendo pela 1ª Vara de Bacabal, que já havia declarado nulas as duas eleições para a mesa diretora realizadas no dia 1º de janeiro desse ano, resolveu anular o resultado da votação ocorrida durante sessão realizada, na sexta-feira (3), sob a presidência do vereador Serafim Reis (PMDB) e que elegeu a chapa encabeçada por Edvan Brandão (presidente), Melquiades Neto (vive-presidente), Natália Duda (1ª secretária) e Egídio Amaral (2º secretário).

Dessa eleição ficou de fora o grupo até então liberado por César Brito (PPS) que se retirou do plenário para evitar dar posse a Joãozinho Algodãozinho (sem partido), desobedecendo justamente determinação do juiz Marcelo Moreira.

Com a nova decisão judicial Bacabal continuará vivendo a mesma celeuma. A data para acontecer a posse do vereador Joãozinho Algodãozinho deverá ocorrer num prazo de 15 dias, a ser definido através de edital de convocação assinado pelo presidente em exercício Irmão Leal.

Em caso de novo descumprimento o presidente em exercício terá multa diária de R$ 1 mil (um mil reais).

Só após a posse de Joãozinho é que será autorizada a convocação para a eleição [a quarta] para escolha da nova mesa diretora da Câmara Municipal de Bacabal.

ENTENDA O CASO: 

Juiz decide que deverá haver nova eleição para a escolha da Mesa Diretora da Câmara de Vereadores de Bacabal



Leia também

Next
Faça seu comentário

12 comentários: