PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

domingo, 17 de abril de 2016

Pane em bomba ainda não foi sanada o sistema de abastecimento de água continua prejudicado em Bacabal

Da Assessoria

A grave pane mecânica que sofreu a principal bomba da estação de captação do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE), em Bacabal, localizada na curva do anu, no Rio Mearim, continua prejudicando o sistema de abastecimento que distribui água para todo o centro da cidade e, para quase uma dezena de bairros próximos ao centro, a exemplo do Ramal e Juçaral, além de outros interligados. Equipes técnicas da autarquia se desdobram no sentido de resolver o problema, entretanto, esbarraram é uma falha de difícil solução, a quebra do bombeador do equipamento.

A bomba, da marca Esso, foi instalada a 51 anos, está obsoleta e para ela não existe mais peças de reposição no mercado brasileiro. A solução encontrada foi a fabricação artesanal da peça danificada. Todavia, nas tentativas de substituição realizadas até agora aconteceram problemas e as peças construídas não puderam ser utilizadas. Uma nova encomenda de fabricação foi feita para uma empresa de tornearia que fica fora do município de Bacabal e, agora, os técnicos do SAAE estão aguardando sua confecção e chegada, para uma nova tentativa de colocar a bomba em funcionamento.

Consequências

Com a bomba de maior capacidade fora de funcionamento a quantidade de água produzida pela estação de captação cai para apenas 60 por cento do que é produzido normalmente. A baixa captação de água obriga os técnicos do SAAE a também usarem, depois que essa água passa de processo de tratamento, a bomba de menor capacidade da estação de distribuição.

A esse fator se agrega os altos índices de turbidez que o Rio Mearim demanda nesse período de chuvas constantes e intensas, quando o nível do rio sofre sequentes oscilações, aumentando e diminuindo o seu volume. Os altos índices de turbidez obrigam as equipes de controle de qualidade da água do SAAE a pararem a distribuição de 5 a 8 vezes por dia, para realizar o trabalho de descarga dos filtros e de tratamento da água.

A pouca quantidade água captada pela estação e enviada para o tratamento, aliada a sua intensa turbidez são os dois principais vetores que provocam as paradas, que provoca, por sua vez, a redução da quantidade de água que segue para a rede de distribuição, gerando a sequente diminuição do produto na casa do consumidor nos setores servidos pela estação de tratamento.

Mais problemas

Dois outros problemas antigos também podem ser facilmente detectados quando uma pane de maior efeito acontece em um importante equipamento do SAAE, como é o caso da principal bomba da estação de captação.
O sistema de abastecimento de água de Bacabal foi instalado há 51 anos sem estação, ou lagoas de decantação, primeiro ponto por onde água captada deveria passar, para, então, depois de decantada seguir para a filtragem na estação de tratamento.

O fato da água captada no Rio Mearim não passar pelo processo de decantação é que provoca as paradas técnicas obrigatórias para a descarga e limpeza dos filtros, porque os mesmos não são preparados para resistir a grandes níveis de turbidez, essa situação se agrava nos períodos de chuva.

A rede de distribuição, especialmente das áreas servidas pela estação de tratamento, centro da cidade e bairros mais antigos, ainda é composta por canos de cimento amianto. Em apenas alguns setores esses canos de cimento amianto foram substituídos por canos de PVC, sendo que ainda existem pontos com canos de ferro ou junções de ferro. Tanto o ferro como o amianto são corrosivos, produzindo detritos para, ao longo do tempo estreitarem o seu diâmetro interno, impedindo que a água corra com fluidez, fato que hoje se agrava mais ainda em razão da pouca quantidade de água que chega a rede de distribuição, em razão da pane da bomba principal da estação de captação.

A direção do SAAE espera que o grave problema seja resolvido no mais breve espaço de tempo possível e envida todos os esforços nesse sentido.

8 comentários:

  1. Enquanto isso o povo fica sofrendo.
    A pergunta que fica é porque não compra uma bomba nova?
    Cadê o o dinheiro que a gente pagar para o saae?
    Eu fiquei sabendo que uma bomba nova custa 800.000 reais , o saae num mês arrecada muito mais do que isso , e com certeza a fábrica que faz essas bombas vende até parcelado.
    Vão fazer uma gambiarra de novo nessa bomba velha eu não dou um mês para ela quebra de novo.
    DIRETOR DO SAAE LEONARDO LACERDA COMPRE UMA BOMBA NOVA , VOCÊ ASSUMIU UNS DOS CARGOS MAIS IMPORTANTE DO MUNICÍPIO , E TODO MUNDO SABE QUE O SAAE TEM TODA CONDIÇÃO DE COMPRA ESSA BOMBA.

    ResponderExcluir
  2. A população do bairro cururupu vai se reunir ,, e bota o terror lá no saae.

    ResponderExcluir
  3. Na minha opinião o maior problema do Saae é fazer política...

    So a conta de energia soma mais de 300 mil mês com água gratuita para os povoados, exemplo brejinho. Que tem praticamente numa cidade , já que não querem cobrar o valor certo. Coloque para pagar a energia aí vai sobrar 300.000.00 por mês pra comprar bombas novas.... Nos merecemos aqui na cidade pagamos as contas em dias...

    Obrigado !

    ResponderExcluir
  4. Maquinario Sucateado...aff

    Chega gente!!
    Alguém aí, pra socorrer Bacabal!!

    ResponderExcluir
  5. Maquinario Sucateado...aff

    Chega gente!!
    Alguém aí, pra socorrer Bacabal!!

    ResponderExcluir
  6. Amanhã deveria ser feriado Municipal ja que não tem água, igual nas escolas como antigamente

    ResponderExcluir

Denúncias, críticas, reclamações e/ou sugestões devem ser enviadas para o email blogdosergiomatias@gmail.com ou via aplicativo whatzApp (99) 8217-3212.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...