GOVERNO DO MARANHÃO

EMPÓRIO CHURRASCARIA E CERVEJARIA

EMPÓRIO CHURRASCARIA E CERVEJARIA

PUBLICIDADE

BANNERS-DEZEMBRO-2.gif

quinta-feira, 7 de abril de 2016

Em nota, direção do SAAE de Bacabal explica falha no fornecimento de água

Diante das reclamações da população o Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Bacabal (SAAE) emitiu nota esclarecendo as razões da falta do fornecimento de água em boa parte da cidade. Leia abaixo.

O sistema de abastecimento de água de Bacabal passou por dois grandes problemas nos últimos dias que prejudicaram sensivelmente o abastecimento de água no centro da cidade, e nos bairros servidos pela adutora, assim como no bairro Ramal, que é dotado de um poço artesiano próprio.

A principal bomba coletora do sistema adutor, que é composto por duas bombas, queimou e passou por trabalho de manutenção. A bomba instalada no poço que serve ao bairro do Ramal também queimou e teve que ser trocada. As duas panes provocaram sensíveis transtornos aos consumidores do Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Bacabal (SAAE) e foram muitas as reclamações por parte da comunidade.

Consequências

A pane na bomba principal do sistema de captação obrigou os técnicos do SAAE a colocarem em funcionamento a bomba substituta, de pequena capacidade de injeção. Esse fato, aliado ao elevado e excessivo nível de turbidez que as águas do Rio Mearim apresentam nesse período invernoso, fez com que fosse diminuída quantidade de água captada para menos da metade do normal e, aumentado o número de paradas técnicas da estação de tratamento (ETA), para a descarga e lavagem dos filtros.

As paradas técnicas, que acontecem de 4 a 5 vezes ao dia, passaram a ser feitas até 8 vezes ao dia. Cada parada, entre a limpeza dos filtros e a colocação dos produtos químicos que a Lei exige, dura pelo menos duas horas. Depois de religado o sistema leva, pelo menos, mais 2 horas para se restabelecer em plenitude. Agrega-se a essa situação a condição da água a ser tratada pela ETA está sendo captada em menor quantidade. Esse novo fator obriga os técnicos a usarem, mais uma vez, apenas a bomba de menor capacidade instalada no sistema de distribuição que, também, é formado por duas bombas.

O SAAE passa a distribuir, então, menos da metade da água que é distribuída normal e diariamente. A consequência é o abastecimento parcial no chamado centro comercial da cidade e em bairros servidos pela ETA, a exemplo do Alto Cururupu, Ramal, e até Areia e Tresidela, mesmo com todos esses bairros possuindo poços artesianos locais. É que o sistema de abastecimento de água de Bacabal é misto, utiliza o parque adutor instalado no Rio Mearim, que é dotado de uma estação de tratamento, e os poços artesianos perfurados em todos os bairros da cidade. Existem bairros, como a Vila São João, que possuem mais de um poço artesiano, a própria Vila São João é dotada de 4 poços.

O Diretor do SAAE de Bacabal, Leonardo Sousa Lacerda, tem exigido e garantido celeridade na resolução dos problemas que se apresentam com rotina e, faz questão de ressaltar, que conta com equipes técnicas capacitadas, formadas por profissionais dedicados e comprometidos com o bom funcionamento da autarquia municipal e com a sua história de boa prestadora de serviços.

Lacerda destaca também que é meta principal de sua administração manter o sistema funcionando dentro das melhores condições possíveis, mas explica que trabalha com um sistema operacional montado há 51 anos – o SAAE foi inaugurado em 08 de setembro de 1965 -, que ao longo de todos esses anos recebeu pouco ou quase nenhum investimento, cuja estrutura está caduca e defasada tecnologicamente, o que aumenta despesas de operação, a exemplo dos gastos com energia elétrica que consomem valores percentuais elevados em cima da receita que é gerada com a prestação dos serviços que autarquia realiza.
A Diretoria 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...