PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

banners-novembro-3.gif

terça-feira, 13 de outubro de 2015

Bancários continuam de braços cruzados e servidores do Judiciário fazem ato em frente ao Tribunal de Justiça e nas comarcas do Maranhão

Na manhã desta terça-feira (13) os servidores do Tribunal de Justiça do Estado do Maranhão juntamente com o Sindicato dos Servidores da Justiça (SINDJUS-MA) iniciaram a greve geral por tempo indeterminado pelas perdas inflacionárias no índice de 6,3%, com efeitos retroativos a janeiro de 2015.

Na capital o movimento está concentrado em frente ao Tribunal de Justiça, na Praça D. Pedro II, Centro. Já nas comarcas, a concentração dos servidores é na porta dos fóruns.

Durante o movimento de greve, funcionará apenas um efetivo de 30% dos servidores para atendimento aos serviços essenciais como direito à vida e liberdade.

A assessoria jurídica do SINDJUS-MA ajuizará nesta terça-feira mandado de segurança preventivo contra o corte de ponto dos servidores que aderirem à greve geral pelo pagamento da reposição constitucional e anual das perdas inflacionárias da categoria, como também no intuito de obter a declaração da legalidade do movimento paredista dos servidores do Judiciário maranhense.

Outra categoria que continua de braços cruzados por tempo indeterminado, essa em todo país, é a dos bancários.
De acordo com o sindicato, diante da recusa da Fenaban em retomar as negociações e apresentar uma proposta digna à categoria, a greve continua. A cada dia, a insatisfação da categoria aumenta, assim como a adesão ao movimento, que, no Maranhão, já atinge 85% dos bancos públicos e privados. 

Greve no Maranhão 

Em São Luís, os bancários paralisaram na sexta-feira (8), quarto dia de greve, todas as agências do Centro, Renascença e Cohama principais setores financeiros da Capital.

No interior do Estado, a adesão também é crescente, como nas cidades de Bacabal, Açailândia, Imperatriz, Pinheiro, Presidente Dutra, Balsas, Codó, Chapadinha, Pedreiras, São João dos Patos, dentre outras.
Nestas regionais, 95% dos bancos públicos fecharam as portas e a adesão nos privados cresce a cada dia. Em Caxias, por exemplo, a unidade do Bradesco paralisou as atividades.

Em Santa Inês, estão fechados o BB, a Caixa, o BNB, o Basa, o Bradesco e o Itaú. Outras agências devem fechar as portas ainda hoje, oitavo dia da paralisação.

Para isso, a categoria volta aos piquetes para auxiliar os bancários da rede privada, que têm mais dificuldade para aderir ao movimento, em virtude das ameaças de demissão e retaliações por parte dos banqueiros.

Greve no Brasil

Em todo o país, a greve também segue se fortalecendo, com 10.818 locais de trabalho e centros administrativos fechados até sexta-feira.

Sem previsão de proposta

A expectativa é que a greve se intensifique ainda mais nesta semana, visto que, até o momento, a Fenaban não se pronunciou sobre uma nova negociação, mantendo a proposta irrisória de reajuste de 5,5% + abono.

Reivindicações

Os bancários maranhenses, por sua vez, reivindicam reajuste de 35%, PLR de 25% linear, piso de R$ 3.377,66, isonomia, fim das metas, estabilidade no emprego, contratação de mais bancários, dentre outras demandas.

Assembleia de avaliação

O SEEB-MA informa que nesta terça-feira (13),  às 17h, será realizada a assembleia de avaliação de greve, na sede do Sindicato, em São Luís. 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...